Bahia, um estado em crescente evolução turística

 Por Seleucia Fontes

 Secretário de Turismo da Bahia, Maurício Bacellar defende continuidade de crescimento do setor.

 Um estado que é referência no turismo de Sol e mar, no Afroturismo, na gastronomia, na preservação cultural e histórica. Assim é a Bahia. Porém, quando imaginávamos que não haveria mais espaço para o desenvolvimento de novos segmentos turísticos, os baianos mostram que não há limites para este setor da economia!

 Durante a realização do I Congresso Febtur de Jornalistas e Comunicadores de Turismo, em Salvador, no mês de junho, o secretário de Turismo da Bahia, Luís Maurício Bacellar defendeu o protagonismo baiano, desde sua segmentação de ofertas até sua infraestrutura, passando pela facilidade de acesso.

 Segundo ele, a Bahia possui uma enorme e inquestionável diversidade de segmentos turísticos, reunindo patrimônio histórico, arquitetônico, colonial, cultural, natural e forte religiosidade.

 Com entusiasmo, em entrevista, Maurício Bacellar relatou diversos aspectos que favorecem o turismo baiano, como a acessibilidade. “O Estado é dividido em 13 zonas turísticas – Salvador está na zona turística Bahia de Todos os Santos – todas são ligadas por voos regionais ou nacionais. Temos dois aeroportos internacionais, na Capital e em Porto Seguro”, relatou, ao completar que o Estado é cortado por importantes rodovias federais, as BRs 101 e 116, sentido Norte-Sul, e as BRs 242 e 324, sentido Leste-Oeste.

 “Quanto ao setor de hospitalidade, são mais de 3.800 meios de hospedagem que abrigam 233 mil leitos.” O gestor ressalta que a Costa do Descobrimento, que inclui Porto Seguro, Santa Cruz de Cabralha e mais seis municípios, é o terceiro destino em números de leitos e hospedagens, atrás somente de São Paulo e Rio de Janeiro.

Observação de baleias é um dos atrativos do litoral baiano_Arquivo ICMBio

 Pujança

 Segundo o secretário de Turismo, a pujança do turismo baiano é ressaltada por sua diversidade, mas ainda há muito espaço para crescer. Um dos segmentos em desenvolvimento é o de avistamento de baleias jubarte e franca. “Elas vêm da Antártica para ter seus filhotes na Costa da Bahia, ou seja, as baleias são baianas”, brinca Bacelar, lembrando que na última temporada foi registrado o deslocamento de mais de 22 mil animais pela região.

 As costas de Ilhéus, Salvador, Itacaré, Barra Grande, Morro de São Paulo, Camaçari, Mata de São João estão entre os principais pontos de observação de baleias e a gestão estadual tem trabalhado na capacitação dos marinheiros amadores para garantir a segurança da condução.

 Chocolate

 Outro segmento estimulado pela gestão estadual, conforme Maurício Bacelar, é a produção de chocolate associada ao turismo na Costa do Cacau. “No município de Ilhéus, saímos de zero fábricas em 2010, para mais de 200 marcas de chocolate, com reconhecimento internacional”, afirmou, citando a participação de algumas delas na 20ª edição do Chocolat Festival, realizada no ano passado, na França.

 O ecoturismo é outro setor que ainda tem muito o que crescer na Bahia, pontua o secretário, ao relatar a elaboração de quatro roteiros no município de Iguaí, a 505 km de Salvador, na zona turística Caminhos do Sudoeste.

 “O município está muito próximo dos aeroportos de Vitória da Conquista e de Ilhéus e conta com mais de 180  cachoeiras, corredeiras e lagoas”, afirma, lembrando que Iguaí ainda carece de infraestrutura turística e que o Governo do Estado tem feito um trabalho de qualificação local.

 Vinícolas e cangaço

 Que tal degustar um legítimo vinho baiano? Graças ao uso da tecnologia, este é mais um produto alinhado ao turismo. “Conseguimos que nosso sertão produzisse frutas temperadas e, hoje, o Vale do São Francisco é o maior produtor de frutas do país”, comemora Maurício Bacellar. Degustação de bebidas e caminhada entre as plantações de uvas são algumas das atividades possíveis em localidades como Curaçá e Casa Nova.

 “Também na Chapada Diamantina, através de mudas trazidas da França pelo Governo do Estado, já temos cinco vinícolas instaladas, sendo que a UVVA, em Mucugê, demandou os maiores investimentos”, revela, citando que também em Morro do Chapéu já há quatro pequenas propriedades produtoras.

 A região dos Vales e Cânions do São Francisco também está sob o olhar atento do governo baiano. Além de todo o contato com a força e beleza do “Velho Chico”, a região é reconhecida por sua riqueza cultural e pelo passado marcado pelo cangaço. Um dos destaques é o município de Paulo Afonso (460 km de Salvador), que preserva a casa onde Maria Bonita, mulher de Lampião, nasceu, no povoado Malhada do Caiçara.

 “Nós temos um projeto com aval dos governos de Sergipe, Alagoas e Pernambuco, para trabalharmos o destino envolvendo os quatro estados”, completa o secretário Maurício Bacellar.

 

Casa de Maria Bonita, história preservada no município de Paulo Afonso_Ascom Prefeitura

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

DEIXE SUA OPINIÃO

POR FAVOR, INCLUA SEU COMENTÁRIO
POR FAVOR, INCLUA SEU NOME